Coração x Capacidade

pensamento

Nessa manhã eu acordei pensando sobre a questão de capacitação no ministério, na verdade isso é algo que eu tenho pensado com muita frequência...
Parece que há uns 20 anos atrás o que mais se falava era de unção, mover profético, milagres. Depois entramos nos anos nos quais adoração e louvor eram tudo. E hoje, ao que parece, somos a igreja da informação, da Palavra. Imagine o desafio de ser um ministro da Palavra na atualidade, no sentido de que hoje qualquer pessoa pode ligar sua TV ou buscar no YouTube os maiores pregadores do mundo. (Como manter um nível sustentável dentro das igrejas?)

Bom, mas isso não é o foco do que quero falar, meu foco é: Coração X Capacidade.

O coração fala das boas intenções, do amor ao próximo, do amor ao Senhor, da unção, da bondade, compaixão, quebrantamento, arrependimento e etc. Já o que quero dizer com capacidade, diz respeito a conhecimento em profundidade da Palavra, bases teológicas, técnicas de oratória, musicais e artísticas, capacidades estratégicas e administrativas, ser visionário, conhecedor de métodos e etc.

Desde já adianto que o "mundo ideal" está no equilíbrio entre os dois, tendo em vista que se a Palavra deixou de ser só uma informação e passou a ser uma Palavra revelada (Rhema) ela certamente tocou e transformou nosso coração. E se insistirmos ela continuará trabalhando de forma viva e eficaz em nossas vidas por completo...

Mas o fato é que, nessa manhã (quando pensava nesse assunto), me lembrei de Mateus 5:1-12 que fala das “Bem-Aventuranças”. E, ansiosamente, fui olhar se havia algo específico que falasse que aquele que for um "super crânio" na Palavra vai ser bem-aventurado em algo, um galardão especial e tals. Espero que você leia os versículos para conferir. rsrs

Eu, definitivamente, não estou falando que os cristãos e principalmente aqueles que ministram não tem que buscar se aprofundar na Palavra (capacitação) – “Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” (II Timóteo 3:17). Eles têm, e muito! A minha preocupação está em quando as pessoas fazem do evangelho uma ciência, medindo e quantificando situações e pessoas a partir dele, sem que haja amor na "Verdade". Um evangelho que sai somente de suas bocas e não de seus corações. Como diria uma amiga: "A verdade sem amor destrói". (parafraseando II Coríntios 3:6). Eu, particularmente, oro muito por isso a respeito da minha vida. Eu não quero ser uma "cabeçuda"(não que eu seja, tem muita estrada para caminhar) na Palavra e ter um coração pequenininho.

Então, de volta ao texto de Mateus 5, podemos resumir os pontos em nove qualidades de caráter que fazem das pessoas bem-aventuradas: humildade, sensibilidade, submissão, obediência, compaixão, santidade, reconciliação, compromisso e paciência. Perceba, alguma coisa aqui fala de capacitação, de você ser um super ministro, mega conhecedor da Palavra?!?! Não.

Contudo, como eu disse lá em cima, eu acredito num equilíbrio. E o equilíbrio está em entender que é o conhecimento da Palavra que nos capacitará para termos cada uma dessas qualidades: o resultado do trabalhar da Palavra Viva em nossas vidas. Quando o Espírito Santo encontra em nós uma terra adubada com a Palavra do Senhor, bastará apenas que Ele nos regue com a Água da Vida, e então produziremos frutos do Espírito e atos de justiça. Nos tornaremos bem-aventurados!

Veja este versículo:
“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” Mateus 5:16

Você consegue imaginar ele se cumprindo em sua vida sem que haja um coração quebrantado e transformado pelo obrar do Espírito Santo através da salvação e da Palavra?!
A vida cristã é de fato um grande desafio, mas é maravilhoso quando entendemos que temos um DEUS infinitamente bom e soberano, e que “aquele que começou boa obra em nós, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus.” (Filipenses 1:6). 

Meditação by Ágata Machado

Inspiração

Romanos 1